segunda-feira, 18 de maio de 2009

Saudade de jogar RPG


Chuva sempre me faz lembrar dezembro, que me lembra férias que, por sua vez, me lembra da época em que eu ficava na casa de meus amigos jogando RPG. Em épocas de chuva, era o passatempo favorito da minha turminha nerd (junto com o vídeo game).

Outro dia, um amigo me pediu para desenhar o personagem que ele criou para uma sessão de RPG. Enquanto eu desenhava, me bateu uma saudade da época em que eu representava guerreiros, vampiros, magos... oh, época boa! Não precisava me preocupar com quase nada, a não ser em ler os livros para aprender as regras de cada sistema de RPG (Gurps, Storyteller, 3D&T, entre outros).

Mas depois, todo mundo começou a trabalhar e não sobrou mais tempo para se dedicar ao RPG. Livros, dados e fichas tiveram de ser encaixotados. E nunca mais experimentei uma partida.

Para quem não sabe, RPG é um jogo de fantasia que significa Role Playing Game (Jogo de Interpretação de Papéis). Cada jogador representa um personagem, numa história fictícia que é decidida por um conjunto de regras e pelas situações que são criadas por um juiz (ou mestre). O mestre é o jogador que controla o jogo. Ele é o responsável por criar aventuras para os personagens que são representados pelos outros jogadores. Exemplo: o mestre diz ao jogador que a casa de seu personagem está sendo invadida por um bando de animais ferozes e, em seguida, pergunta o que esse jogador decide fazer. E, assim, a história se desenvolve (por horas, dias ou até semanas). Ou seja, basta ter imaginação!

Para jogar RPG é preciso apenas possuir um livro de regras (que pode ser encontrado em livrarias especializadas ou na Internet), dados multifacetados (dependendo do livro, é preciso usar dados de 3, 4, 6, 10 e até 20 lados, que também podem ser encontrados em livrarias especializadas ou na Internet), lápis e fichas para anotar as características dos personagens.

Existem vários cenários de ambientação, para histórias de todos os gostos: fantasia medieval, cyberpunk, terror, ficção científica etc. Qualquer história pode ser adaptada para as regras de um sistema de RPG.

Um dia, talvez, eu mate a saudade. Por enquanto, vou assistindo a filmes no mesmo estilo de Senhor dos Anéis e...desenhando muito!
Postar um comentário