terça-feira, 6 de outubro de 2009

FIQ 2009: primeiro dia, primeiras impressões

E primeiras aquisições! O que eu mais queria, nessa edição do FIQ (Festival Internacional de Quadrinhos), era adquirir alguns quadrinhos independentes que ainda não haviam chegado por aqui, em Belo Horizonte. Por serem independentes, as revistas possuem uma distribuição precária, custeada pelos próprios autores. E tem muito autor excelente que eu queria prestigiar.
Minhas primeiras aquisições (vou ficar pobre, pois é só o começo!)

Quando cheguei, nem todos os stands estavam prontos. A galera ainda estava ajeitando os banners e nem todas as revistas estavam lá. A banca do Quarto Mundo, por exemplo, só tinha as revistas do Graffiti e do Camiño di Rato. Do lado, estava o stand das Revistas Dependentes (onde adquiri a revista Samba) e, seguindo, estava o 10 Pãezinhos (onde adquiri a revista , de Gustavo Duarte). Na sequência, estava o stand do Café Nanquim, onde tive o prazer de encontrar Fábio Turbay, desenhista de uma história do álbum Capitu (que eu queria adquirir faz tempo) e do álbum Marianinha (que comprarei na próxima visita).

Banca do stand das Revistas Dependentes

Títulos da banca do stand dos 10 Pãezinhos

Os gêmeos Fábio Moon e Gabriel Bá não estavam lá...




Stand do selo Quadrinho na Cia

Stand do Supermercado Ferraille (pronuncia-se "ferrai"): idéia genial!

Alguém se lembra de quando escrevi uma postagem sobre a edição de 2005 do FIQ? Eu contei que só consegui uma vaga para a oficina de Manfredi porque um dos autores da revista Quase me cedeu seu lugar. Era o Fábio Turbay! Eu consegui reconhecê-lo. Depois de um favorzão desses, não tinha como eu me esquecer do cara! Aliás, fui o primeiro visitante do stand dele. E nem saí tão cedo de casa! Comprei três revistas: Capitu, Almanaque Gótico #1 (voltarei para o lançamento do segundo número) e Gaúcho, de Shimamoto.

Fábio Torbay

Fábio autografou no popô da Capitu!

Depois, para fugir do batalhão de alunos que vieram em excursões escolares, fui para a exposição de 70 anos do Batman e para a exposição dos originais de vários quadrinistas. Deu vontade de ficar o dia inteiro, curtindo os detalhes de cada exposição. Os desenhos de Joe Bennett, a área de mangá, as páginas de Ben Templesmith, tudo! É preciso ver de perto os originais de Craig Thompson, autor de Retalhos, livro que já li e recomendo. Também há páginas de seu próximo livro, ainda em produção. A Quadrinhos na Cia, que é um selo voltado para a área dentro da editora Companhia das Letras, é responsável pela publicação do livro aqui, no Brasil, e também está presente no FIQ, com um stand próprio.

É preciso ver de perto os originais de Craig Thompson

Detalhe do original de Craig Thompson

Batman, no traço de Jim Lee

Batman no traço de Arthur Adams

Além desse desenho de Rafael Grampá, a exposição também tem desenhos de outros brasileiros, tais como Renato Guedes, Eddy Barrows e Joe Bennett.

Bom, posso colocar no blog todas as fotos que tirei somente depois que o evento acabar. Recomendo a visita ao Palácio das Artes para quem quiser conferir as exposições. A escolha do local para a realização do evento foi acertada. Para espairecer e respirar um pouco, basta ir para o Parque Municipal e curtir a paisagem inspiradora.

Pebolim de cartuns

Não vejo a hora de voltar! Restam mais cinco dias para o fim do evento. Que bom!
Postar um comentário